quinta-feira, 14 de março de 2013

DE UMA OLHADINHA NESSES VÍDEOS
HISTÓRIA DE ROMA 1º E 3º E.M


ATIVIDADE PARA O 1º A - FILOSOFIA
SEGUE O TEXTO PARA ATIVIDADE DATA DE ENTREGA ATÉ SEXTA FEIRA 15.03















O IDEAL É IMPRIMIR FAZER A LEITURA, E RESPONDER AS ATIVIDADES INCLUSIVE A DE BAIXO
ATT JUNIOR - ENTREGAR AS ATIVIDADES NA SEXTA


DISCIPLINA: FILOSOFIA
AVALIAÇÃO FORMATIVA 1 - VALOR 4 PONTOS

A partir da leitura do Primeiro Capítulo do Caderno de estudos de TEMAS E
TEORIAS DA FILOSOFIA (Noções Gerais de Filosofia) elabore um texto dissertativo
sobre a educação dar prioridade à sabedoria, de tal forma que a informação e o
conhecimento estejam contempladas, mas não sendo a tônica principal da ação
educativa da escola.
O texto deve ser elaborado de forma a contemplar os seguintes aspectos:
• Dar um título ao texto.
• Introdução: apresentar de maneira clara o que será tratado no texto.
• Desenvolvimento: apresentar as principais ideias, conceitos, pontos de
vistas sobre o tema proposto.
• Conclusão: elaborar um resumo do que foi desenvolvido ou apresentar
uma avaliação do assunto discutido.
Boa Atividade!

domingo, 10 de março de 2013


atividade para o 1º ano sobre A Grécia

Questões:

01. Esparta apresentou um desenvolvimento histórico distinto da maioria das cidades-gregas, pois:

a) Formou-se a partir de um governo conservador e assumiu um sistema político democrático, com a participação de todos os cidadãos.

b) Organizou-se na forma de governo oligárquico, cujo objetivo principal era preservar os interesses da aristocracia.

c) Transitou de um governo monárquico para o regime de tirania, o que proporcionou uma política de equilíbrio entre as camadas sociais.

d) Assumiu a forma republicana de governo, sem possibilidade de ascensão dos grupos sociais.

e) Caracterizou-se por um governo autocrático, no qual o grupo dirigente reunia poderes temporais e espirituais.

                       
02. Comparando-se a educação ateniense com a espartana, conclui-se que:

a) Os atenienses valorizavam a formação intelectual e física do homem, enquanto os espartanos,o militarismo.
b) As relações democráticas em Atenas possibilitavam que muitas mulheres se destacassem na sociedade.
c) Em Atenas desenvolveu-se o laconismo e em Esparta a xenofobia.
d) Os espartanos valorizavam o militarismo e o desenvolvimento da cidadania.
e) O desenvolvimento intelectual ateniense permitiu a instituição da democracia e o fim da escravidão.


03. Da coesão temporária entre aristocratas e populares, provocada pela luta contra um inimigo comum, aproveitou-se Clístenes para fazer a reforma que implantou a democracia em Atenas. A democracia surgiu:

a) Com o fim das disputas entre as facções políticas, formalizadas pela aliança entre a elite e o povo.

b) A partir da ascensão de Clístenes ao poder, do partido popular, que aliado a ex-escravos derrotou os aristocratas.

c) Para atender aos interesses políticos da nova elite, os mercadores, e preservar certos privilégios da antiga aristocracia, como o latifúndio e a escravidão.

d) Como forma de promover maior desenvolvimento da cidade, equiparando-se agricultura e comércio, baseados nos trabalhos dos thetas.

e) Devido às pretensões da elite agrária, em fazer de Atenas cidade hegemônica, como ocorreria no século seguinte.

 
04.
 O século VI a.C. marca a passagem do período arcaico para o período clássico na história dos antigos gregos. O elemento que marcou essa mudança foi:

a) O grande desenvolvimento cultural de Atenas, liderado por Péricles, permitindo à cidade liderar todo o mundo grego.

b) As Guerras Médicas, que possibilitaram o fortalecimento de diversas cidades gregas, dando início à hegemonia dos gregos.

c) O antagonismo entre Atenas e Esparta, mais aguçado, determinando um conjunto de internas pelo poder.

d) A derrota do Império Persa, que permitiu aos gregos o início do expansionismo sobre a parte do Oriente e a criação da cultura helenística.

e) O início de um período caracterizado pela hegemonia de uma cidade sobre as demais, eliminando a soberania da maioria das polis.


05. Os espartanos se utilizaram o laconismo e da xenofobia para reforçar o status quo e evitar mudanças preservando:

a) Um sistema social no qual a mulher não possuía nenhuma função de destaque.
b) A distância sócia econômica, permanecendo o perieco como escravo, e o espartíata como intelectual.
c) A estrutura política que garantia o direito do voto para que todos não fossem escravos.
d) Os limites territoriais da cidade, que fora ameaçado pelo expansionismo persa.
e) Os privilégios da elite militar, que controlava as terras férteis, consideradas propriedades estatais.


06. A vida política de Atenas, durante o período arcaico, foi caracterizada pelas transformações que culminariam com a criação da democracia escravista.

Pode-se afirmar que essas transformações foram impulsionadas:

a) A partir do enriquecimento de artesãos e comerciantes, que aumentaram a posição à oligarquia eupátrida.
b) Pelas grandes rebeliões de escravos que exigiam a liberdade de direitos políticos.
c) Pelo isolamento da cidade, permitindo a ausência e, portanto, a estabilidade política.
d) Naturalmente, acompanhando o desenvolvimento intelectual e cultural da cidade.
e) Após a vitória ateniense sobre os persas, terminadas as Guerras Médicas.


07. (FAAP) Em 334 a. C., Alexandre Magno lançou-se à conquista de um vasto império. Gregos e orientais, num processo de mutualidade, geraram uma nova e brilhante civilização, nascida dos escombros de outras.

Com relação a esse período, pergunta-se:

a) A qual civilização se refere?
b) Quais as mais importantes correntes filosóficas dessa época?


08. (MACKENZIE) As diferenças políticas e econômicas entre espartanos e atenienses culminaram no conflito armado denominado:

a) Guerras Médicas
b) Guerras Púnicas
c) Guerra do Peloponeso
d) invasão macedônica
e) Guerras Gaulesas


09. 
(UEMT) O enfraquecimento das cidades gregas, após a Guerra do Peloponeso (431 - 404 a. C.), possibilitou a conquista da Grécia pelos:

a) bizantinos
b) hititas
c) assírios
d) persas
e) macedônios


10.
 (S. J. DO RIO PRETO) Os gregos possuíam divindades menores que inspiravam suas criações artísticas e científicas: assim Clio era a musa inspiradora da:

a) Música
b) História
c) Poesia Épica
d) Astronomia
e) Comédia


Resolução:
01. B02. A03. C04. E
05. E06. A  
07. a) Da civilização helenística.
      b) Epicurismo, com Epicuro, e estoicismo, com Zenon.
08. C09. E10. B

sábado, 9 de março de 2013


ATIVIDADE PARA O 2 ANO E.MEDIO

1. (Fuvest-SP) Os primitivos habitantes do Brasil foram vítimas do processo colonizador. O europeu, com visão de mundo calcada em preconceitos, menosprezou o indígena e sua cultura. A acreditar nos viajantes e missionários, a partir de meados do século XVI, há um decréscimo da população indígena, que se agrava nos séculos seguintes. Os fatores que mais contribuíram para o citado decréscimo foram:
a) a captura e a venda do índio para o trabalho nas minas de prata do Potosí.
b) as guerras permanentes entre as tribos indígenas e entre índios e brancos.
c) o canibalismo, o sentido mítico das práticas rituais, o espírito sanguinário, cruel e vingativo dos naturais.
d) as missões jesuíticas do vale amazônico e a exploração do trabalho indígena na extração da borracha.
e) as epidemias introduzidas pelo invasor europeu e a escravidão dos índios. 
2. (UFMG) Leia o texto. “A língua de que [os índios] usam, toda pela costa, é uma: ainda que em certos vocábulos difere em algumas partes; mas não de maneira que se deixem de entender. (...) Carece de três letras, convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não tem Fé, nem Lei, nem Rei, e desta maneira vivem desordenadamente (...)." (GANDAVO, Pero de Magalhães, História da Província de Santa Cruz, 1578.) A partir do texto, pode-se afirmar que todas as alternativas expressam a relação dos portugueses com a cultura indígena, exceto:
a) A busca de compreensão da cultura indígena era uma preocupação do colonizador.
b) A desorganização social dos indígenas se refletia no idioma.
c) A diferença cultural entre nativos e colonos era atribuída à inferioridade do indígena.
d) A língua dos nativos era caracterizada pela limitação vocabular.
e) Os signos e símbolos dos nativos da costa marítima eram homogêneos. 
3. (Fuvest-SP) A sociedade colonial brasileira "herdou concepções clássicas e medievais de organização e hierarquia, mas acrescentou-lhe sistemas de graduação que se originaram da diferenciação das ocupações, raça, cor e condição social. (...) as distinções essenciais entre fidalgos e plebeus tenderam a nivelar-se, pois o mar de indígenas que cercava os colonizadores portugueses tornava todo europeu, de fato, um gentil-homem em potencial. A disponibilidade de índios como escravos ou trabalhadores possibilitava aos imigrantes concretizar seus sonhos de nobreza. (...) Com índios, podia desfrutar de uma vida verdadeiramente nobre. O gentio transformou-se em um substituto do campesinato, um novo estado, que permitiu uma reorganização de categorias tradicionais. Contudo, o fato de serem aborígines e, mais tarde, os africanos, diferentes étnica, religiosa e fenotipicamente dos europeus, criou oportunidades para novas distinções e hierarquias baseadas na cultura e na cor." (Stuart B. Schwartz, Segredos internos.) A partir do texto pode-se concluir que:
a) a diferenciação clássica e medieval entre clero, nobreza e campesinato, existente na Europa, foi transferida para o Brasil por intermédio de Portugal e se constituiu no elemento fundamental da sociedade brasileira colonial.
b) a presença de índios e negros na sociedade brasileira levou ao surgimento de instituições como a escravidão, completamente desconhecida da sociedade européia nos séculos XV e XVI.
c) os índios do Brasil, por serem em pequena quantidade e terem sido facilmente dominados, não tiveram nenhum tipo de influência sobre a constituição da sociedade colonial.
d) a diferenciação de raças, culturas e condição social entre brancos e índios, brancos e negros tendeu a diluir a distinção clássica e medieval entre fidalgos e plebeus europeus na sociedade.
e) a existência de uma realidade diferente no Brasil, como a escravidão em larga escala de negros, não alterou em nenhum aspecto as concepções medievais dos portugueses durante os séculos XVI e XVII. 
4. (UFMG) Todas as alternativas apresentam fatores que explicam a primazia dos portugueses no cenário dos grandes descobrimentos, exceto:
a) a atuação empreendedora da burguesia lusa no desenvolvimento da indústria náutica.
b) a localização geográfica de Portugal, distante do Mediterrâneo oriental e sem ligações comerciais com o restante do continente.
c) a presença da fé e o espírito da cavalaria e das cruzadas que atribuíam aos portugueses a missão de cristianizar os povos chamados "infiéis".
d) o aparecimento pioneiro da monarquia absolutista em Portugal responsável pela formação do Estado moderno.

5. (FESO-RJ) "O governo-geral foi instituído por D. João III, em 1548, para coordenar as práticas colonizadoras do Brasil. Consistiriam estas últimas em dar às capitanias hereditárias uma assistência mais eficiente e promover a valorização econômica e o povoamento das áreas não ocupadas pelos donatários." (Manoel Maurício de Albuquerque. Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1984. p. 180.) As afirmativas abaixo identificam corretamente algumas das atribuições do governador-geral, à exceção de:
a) Estimular e realizar expedições desbravadoras de regiões interiores, visando, entre outros aspectos, à descoberta de metais preciosos.
b) Visitar e fiscalizar as capitanias hereditárias e reais, especialmente aquelas que vivenciavam problemas quanto ao povoamento e à exploração das terras.
c) Distribuir sesmarias, particularmente para os beneficiários que comprovassem rendas e meios de valorizar economicamente as terras recebidas.
d) Regular as alianças com tribos indígenas, controlando e limitando a ação das ordens religiosas, em especial da Companhia de Jesus.
e) Organizar a defesa da costa e promover o desenvolvimento da construção naval e do comércio de cabotagem. 
6. (UNISO) Durante a maior parte do período colonial a participação nas câmaras das vilas era uma prerrogativa dos chamados "homens bons", excluindo-se desse privilégio os outros integrantes da sociedade. A expressão "homem bom" dizia respeito a:
a) homens que recebiam a concessão da Coroa portuguesa para explorar minas de ouro e de diamantes;
b) senhores de engenho e proprietários de escravos;
c) funcionários nomeados pela Coroa portuguesa para exercerem altos cargos administrativos na colônia;
d) homens considerados de bom caráter, independentemente do cargo ou da função que exerciam na colônia.

7. (UNAERP-SP) Em 1534, o governo português concluiu que a única forma de ocupação do Brasil seria através da colonização. Era necessário colonizar, simultaneamente, todo o extenso território brasileiro. Essa colonização dirigida pelo governo português se deu através da:
a) criação da Companhia Geral do Comércio do Estado do Brasil.
b) criação do sistema de governo-geral e câmaras municipais.
c) criação das capitanias hereditárias.
d) montagem do sistema colonial.
e) criação e distribuição das sesmarias. 
8. (Cesgranrio-RJ) Assinale a opção que caracteriza a economia colonial estruturada como desdobramento da expansão mercantil européia da época moderna.
a) A descoberta de ouro no final do século XVII aumentou a renda colonial, favorecendo o rompimento dos monopólios que regulavam a relação com a metrópole.
b) O caráter exportador da economia colonial foi lentamente alterado pelo crescimento dos setores de subsistência, que disputavam as terras e os escravos disponíveis para a produção.
c) A lavoura de produtos tropicais e as atividades extrativas foram organizadas para atender aos interesses da política mercantilista européia.
d) A implantação da empresa agrícola representou o aproveitamento, na América, da experiência anterior dos portugueses nas suas colônias orientais.
e) A produção de abastecimento e o comércio interno foram os principais mecanismos de acumulação da economia colonial. 
9. . (UFRJ) "(...) meu coração estremece de infinita alegria por ver que a terra onde nasci em breve não será pisada por um pé escravo. (...) Quando a humanidade jazia no obscurantismo, a escravidão era apanágio dos tiranos; hoje, que a civilização tem aberto brecha nas muralhas da ignorância e preconceitos, a liberdade desses infelizes é um emblema sublime (...). Esta festa é a precursora de uma conquista da luz contra as trevas, da verdade contra a mentira, da liberdade contra a escravidão." (ESTRELLA, Maria Augusta Generoso e Oliveira. "Discurso na Sessão Magna do Clube Abolicionista", 1872, Arquivo Público Estadual, Recife-PE.) A escravidão está associada às diversas formas de exploração e de violência contra a população escrava. Essa situação, embora característica dos regimes escravocratas, registra inúmeros momentos de rebeldia. Em suas manifestações e ações cotidianas, homens e mulheres escravizados reagiram a esta condição, proporcionando formas de resistência que resultaram em processos sociais e políticos que, a médio e longo prazos, influíram na superação dessa modalidade de trabalho.
a) Cite duas formas de resistência dos negros contra o regime da escravidão ocorridas no Brasil.
b) Explique um fator que tenha contribuído para a transição para o trabalho livre no Brasil no século XIX.



10. (Cesgranrio-RJ) "O senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos." O comentário de Antonil, escrito no século XVIII, pode ser considerado característico da sociedade colonial brasileira porque:
a) a condição de proprietário de terras e de homens garantia a preponderância dos senhores de engenho na sociedade colonial.
b) a autoridade dos senhores restringia-se aos seus escravos, não se impondo às comunidades vizinhas e a outros proprietários menores.
c) as dificuldades de adaptação às áreas coloniais levaram os europeus a organizar uma sociedade com mínima diferenciação e forte solidariedade entre seus segmentos.
d) as atividades dos senhores de engenho não se limitavam à agroindústria, pois controlavam o comércio de exportação, o tráfico negreiro e a economia de abastecimento.
e) o poder político dos senhores de engenho era assegurado pela metrópole através da sua designação para os mais altos cargos da administração colonial.
GABARITO
1.E
2.A
3.D
4.B
5.E
6.B
7.C
8.C
9. a) Uma forma de resistência era a fuga e a posterior organização em quilombos; outra era a simples passividade perante o trabalho e o não-enfrentamento com o senhor, levando o escravo algumas vezes ao suicídio.
 b) Um fato foi o fim do tráfico negreiro em 1850 (Lei Eusébio de Queirós), levando ao lento processo de diminuição da população de escravos
10.A

sexta-feira, 8 de março de 2013


História do 8 de março - Dia Internacional da Mulher

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
Objetivo da Data 
Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras 
Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

Marcos das Conquistas das Mulheres na História 

- 1788 - o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.
- 1840 - Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.
- 1859 - surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.
- 1862 - durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.
- 1865 - na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.
- 1866 - No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas
- 1869 - é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres
- 1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.
- 1874 - criada no Japão a primeira escola normal para moças
- 1878 - criada na Rússia uma Universidade Feminina
- 1901 - o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres

quinta-feira, 7 de março de 2013

quarta-feira, 6 de março de 2013


Filme mostrando a invasão espanhola no novo munto:
Ataque aos Incas, Astecas e Maias
ATIVIDADE PARA O 2º ANO
Esse Vídeo explica o resumo do capitulo 13
ok!!
TEXTO PARA O TRABALHO DE FILOSOFIA


Minha História
Ele vinha sem muita conversa, sem muito explicar
Eu só sei que falava e cheirava e gostava de mar
Sei que tinha tatuagem no braço e dourado no dente
E minha mãe se entregou a esse homem perdidamente, laiá, laiá, laiá, laiá
Ele assim como veio partiu não se sabe prá onde
E deixou minha mãe com o olhar cada dia mais longe
Esperando, parada, pregada na pedra do porto
Com seu único velho vestido, cada dia mais curto, laiá, laiá, laiá, laiá
Quando enfim eu nasci, minha mãe embrulhou-me num manto
Me vestiu como se eu fosse assim uma espécie de santo
Mas por não se lembrar de acalantos, a pobre mulher
Me ninava cantando cantigas de cabaré, laiá, laiá, laiá, laiá
Minha mãe não tardou alertar toda a vizinhança
A mostrar que ali estava bem mais que uma simples criança
E não sei bem se por ironia ou se por amor
Resolveu me chamar com o nome do Nosso Senhor, laiá, laiá, laiá, laiá
Minha história e esse nome que ainda carrego comigo
Quando vou bar em bar, viro a mesa, berro, bebo e brigo
Os ladrões e as amantes, meus colegas de copo e de cruz
Me conhecem só pelo meu nome de menino Jesus, laiá, laiá
Os ladrões e as amantes, meus colegas de copo e de cruz
Me conhecem só pelo meu nome de menino Jesus, laiá, laiá, laiá, laiá


República Velha - Exercícios
A REPÚBLICA VELHA

1- "O Brasil não tem povo, tem público." (Lima Barreto)
Esta frase sintetiza ironicamente, para o autor, a relação entre o Estado Republicano e a sociedade brasileira.
a) O que Lima Barreto quis dizer com essa afirmação?
b) O escritor também faz uma sátira ao sistema político e econômico vigente na Primeira República numa obra intitulada de “Os bruzundangas”, publicada em 1923. Nela, mostra, ironicamente, a utilização do poder público no Brasil para o favorecimento de interesses econômicos de grupos privados.
Leia o texto e procure relacionar os comentários de Lima Barreto ao coronelismo e ao voto de cabresto.

2- Sobre a Revolta de Canudos, responda:
a) Quais camadas sociais participavam dessa Revolta e quais eram seus objetivos?
b) Quem era o líder da Revolta?
c) Como funcionava a comunidade fundada pelos revoltosos?

3- "O Nicromante, pelos modos,/ Satisfazer procura a todos:/ Traz Benjamin que é o fundador,/ Deodoro, que é o proclamador,/ Floriano, o consolidador,/ Prudente, o pacificador./ Isto é que é ser enganador!" (Retratos. "O Paiz", 19/11/1895.) O advento da República no Brasil pouco representou para a efetiva construção da cidadania. Com base em seus conhecimentos e na leitura do trecho do jornal "O Paiz", analise as seguintes afirmativas:
I - A briga entre civis e militares pelo reconhecimento da fundação republicana, disputada pelos partidários de Deodoro e Benjamin Constant, prosseguiu por longo tempo e representou o conflito pela definição do novo regime.
II - O levante armado republicano pôs fim às simpatias pela monarquia, utilizando-se do apoio popular para impedir reações da família imperial.
III - A investida do Estado na regulamentação do cotidiano das pessoas foi uma das motivações para as sublevações populares, como a revolta contra a vacinação obrigatória, em 1904, na cidade do Rio de Janeiro.
IV - O chamado jacobinismo florianista caracterizou-se pelo resgate da influência lusitana e pela postura antinacional de seus seguidores.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas as afirmativas I, II e IV são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas III e IV são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas II e IV são verdadeiras.

* PARA PENSAR E FAZER: Os seguidores de Antonio Conselheiro e do beato José Maria eram, em sua grande maioria, trabalhadores rurais. Expulsos se suas terras por vários motivos, como seca e apropriação das propriedades por grandes empresas, ficavam sem meios para garantir o seu sustento e o de sua família. 

4- Faça uma pesquisa para saber qual a situação da terra hoje no Brasil. Para isso, siga o seguinte roteiro:
Como a terra está distribuída hoje no Brasil?
Quais as condições de vida dos trabalhadores rurais? 
Existe algum programa para garantir a posse da terra para agricultores pobres? 
Ele é eficiente? 
Os trabalhadores rurais têm alguma organização para lutar pelos seus direitos Como? 

5- "A reforma financeira de Rui Barbosa, não teve o sucesso esperado." Justifique a afirmativa.

6- A Constituição de 1824, a primeira do Brasil, foi OUTORGADA e a Constituição de 1891, a primeira republicana, foi PROMULGADA. Dê o significado das expressões destacadas.

7- "O bandido social é, em geral, membro de uma sociedade rural e, por razões várias, encarado como proscrito ou criminoso pelo Estado e pelos grandes proprietários. Apesar disso, continua a fazer parte da sociedade camponesa de que é originário e é considerado herói por sua gente, seja ele um justiceiro, um vingador, ou alguém que rouba dos ricos."
(Carlos Alberto Dória, SAGA. A GRANDE HISTÓRIA DO BRASIL) Utilizando a definição anterior, explique o movimento do cangaço brasileiro.

8- "Entendi que não era lícito assistir indiferentemente a esta luta [política na Câmara Federal], cujos resultados poderiam acarretar a ruína da República. Dirigi-me para este fim aos governadores dos Estados, onde reside iniludivelmente a força política deste regime.
(...) Outros deram à minha política a denominação de Política dos Governadores. Teriam acertado se dissessem Política dos Estados."(Campos Sales: DA PROPAGANDA À REPÚBLICA)
a) A partir do texto acima, explique o fenômeno político denominado "Política dos Governadores" e relacione algumas de suas conseqüências para a República Velha.
b) Explique com suas palavras o que foi a "política do Café com Leite".

9- Durante a República Velha, os "tenentes" apresentavam-se como salvadores, propondo solução para velhos problemas como a inflação, a alta do custo de vida, o "voto de cabresto", a corrupção e outros. Esclareça o que foi o "tenentismo" e assinale sua importância histórica.

10- Em 1929, o mundo foi abalado por uma profunda crise econômica e o Brasil sofreu diretamente os seus efeitos.
a) Cite duas características dessa crise na economia mundial.
b) Quais foram as conseqüências dessa crise econômica para a agricultura e indústria brasileiras?

Brasil República (até 1945)

República Velha, Era Vargas, República Liberal, Regime Militar, Nova República

Transição do Império para a República


01) (FGV) Os últimos 19 anos de vida do Império Brasileiro correspondem, historicamente, à fase de decadência política do sistema instaurado em 1822 e que chegara a seu auge em 1850-60. Dentre os inúmeros fatos políticos que demonstram essa situação de declínio, merecem destaque especial dois deles, não apenas pelas intensas repercussões que tiveram mas, principalmente, por ajudar a demolir as já instáveis bases de sustentação da monarquia. Trata-se das chamadas:
a) “Questões” Christie e Religiosa;
b) “Questões” queremista e civilista;
c) “Questões” religiosa e militar;
d) “Salvações” militar e eleitoral;
e) “Revoltas” de Beckman e da Chibata

02) (UEM – PR) Dentre os fatores que concorreram diretamente para a queda da Monarquia Brasileira, citamos:
a) a falta de trabalho para os negros libertos;
b) a abdicação de D. Pedro I;
c) a abolição da escravatura;
d) a posição anômala (defeituosa) do exército;
e) A Guerra dos Farrapos

03) (CESCEA – SP) A proclamação da República, representa basicamente:
a) uma profunda transformação na estrutura política e social do Brasil;
b) a introdução do sistema democrático no Brasil;
c) o fim do período colonial brasileiro;
d) uma modificação do regime político sem grande influência na estrutura econômica e social do País
e) um movimento popular de derrubado do chamado “Antigo Regime”

04) A proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, exigiu nova constituição, que foi promulgada em 24 de fevereiro de 1891. Seus principais pontos eram: (Assinale V para Verdadeiro e F para Falso)
( ) Federalismo: os vinte Estados teriam autonomia para elaborar sua própria constituição, eleger seus presidentes (governadores), realizar empréstimos externos, decretar impostos e possuir suas próprias forças militares;
( ) Presidencialismo: o chefe da Federação seria o presidente da República, com poderes para intervir nos Estados quando houvesse tendência separatista, invasão estrangeira ou conflitos com outras unidades da Federação
( ) Regime Representativo: os presidentes da República e dos Estados, assim como os membros do Poder Legislativo em todos os níveis, seriam eleitos diretamente pelo Povo, excluídos os analfabetos, as mulheres, os soldados e os menores de idade;
( ) Centralização: conservava o poder moderador e a vitaliciedade do Senado

05) Com referência à crise do governo imperial no Brasil nas últimas décadas do século XIX, julgue os itens a seguir com V para Verdadeiro e F para Falso:
( ) As crises do Segundo Reinado, cujos sintomas são nítidos a partir da década de 1870, tornaram insustentável a continuidade do Estado imperial na década seguinte
( ) O ideal republicano, novo na vida política brasileira da segunda metade do século XIX, teve força suficiente para abalar as estruturas políticas do Império
( ) Um dos fatores da crise foi o fato de o encaminhamento da abolição da escravidão ter provocado desgastes nas relações entre o governo imperial e suas bases sociais de apoio
( ) O conflito do governo imperial com a Igreja Católica foi motivo fundamental para a queda do regime imperial

06) (PUCCamp) Considere os itens a seguir:
I – Abolição do tráfico como golpe à hegemonia dos senhores de engenho e dos barões do café
II – apoio da pequena burguesia urbana à escravidão e à monarquia
III – término da Guerra do Paraguai e a ampliação e reorganização do Exército
IV – Aliança entre a monarquia e a Igreja
V – Oposição dos cafeicultores paulistas ao centralismo e a defesa do federalismo
O período compreendido entre 1870 e 1889 assinala, no Brasil, o declínio do Império. Os fatores, entre outros, responsáveis por esse declínio podem ser identificados em APENAS:
a) I, II e IV;
b) I, III e IV;
c) I, III e V;
d) II, III e V;
e) II, IV e V.

07) (Cesgranrio – RJ) No período da chamada crise do império, a partir de 1870, vários fatores contribuíram para provocar a queda da monarquia, em 1889, entre os quais se destaca o (a):
a) envolvimento continuado do Império em conflitos externos, principalmente na região platina;
b) conflito entre o Império e a Igreja, que era simpática às novas idéias filosóficas, como o positivismo;
c) incompatibilidade de amplos setores do Exército com a monarquia;
d) expansão da lavoura cafeeira e da indústria, ampliando o uso da mão-de-obra escrava;
e) posição contrária ao federalismo adotada pelos republicanos, o que lhes garantiu o apoio das oligarquias agrárias.
 
GABARITO:
01) C
02) C
03) D
04) V - V - V - F
05) V - V - V - F
06) C
07) C

República Velha (1889 - 1930)


01) A crise financeira conhecida como “encilhamento”, tem como características:
a) a restrição da liberdade dos bancos e da moeda circulante e o combate à inflação desenfreada;
b) a facilidade de crédito, a liberdade aos bancos para emitir em grande quantidade e a inflação desenfreada;
c) a política de Rui Barbosa, Ministro da Fazenda, que tinha como meta fundamental, o combate à inflação;
d) a política de Joaquim Murtinho, Ministro da Fazenda, incentivando a transferência de capitais da agricultura para a indústria;
e) a elevação de 30 a 60% das taxas alfandegárias de alguns produtos, encarecendo-os e a aplicação de capitais no tráfico de escravos.

02) (CESESP) O Governo Provisório da República do Brasil:
a) eliminou as dificuldades financeiras do país;
b) instituiu o primeiro regime constitucional;
c) dissolveu o sistema federativo de governo;
d) transformou as províncias em Estados;
e) adotou o Poder Moderador.

03) Com relação à Primeira República Brasileira (1889 - 1930) assinale V para Verdadeiro e F para Falso:
( ) O coronelismo existiu durante o Império e teve seu apogeu na República Velha;
( ) Os grupos políticos mais poderosos da República Velha foram os grandes proprietários de terra de São Paulo e Minas;
( ) O movimento republicano tornou-se vitorioso em 1889, pela ação do Exército e o apoio de camadas da classe média e da burguesia paulista;
( ) A Revolução Federalista de 1893 iniciou-se no Rio Grande do Sul e expandiu-se nos Estados de Santa Catarina e Paraná

04) A rebelião dos Treze Generais do Exército e da Marinha: (Assinale V para Verdadeiro e F para Falso)
( ) Ocorreu durante o governo do Marechal Deodoro da Fonseca, em protesto ao golpe de 13/11/1891, através do qual o presidente dissolveu o Congresso Nacional;
( ) Foi uma facção do exército que se levantou em defesa da pose do Marechal Floriano Peixoto, então vice-presidente, diante da renúncia de Deodoro da Fonseca
( ) Esvaziou-se politicamente, quando o Governo Central atendeu às exigências dos chefes da Revolução Federal no Rio de Janeiro em 1891
( ) Foi um movimento militar que motivou a renúncia do Marechal Deodoro da Fonseca da presidência da República em 1891.
( ) Foi energicamente reprimida pelo presidente Marechal Floriano Peixoto, atitude que o fez conhecido como “Marechal de Ferro”

05) A política financeira adotada no Governo Provisório de Deodoro da Fonseca pelo Ministro Rui Barbosa desencadeou a crise conhecida como “encilhamento” que ocasionou: (Assinale V para Verdadeiro e F para Falso)
( ) Ampliação do meio circulante
( ) Valorização da moeda e diminuição do custo de vida
( ) Grande especulação financeira
( ) Emissão de papel-moeda em larga escala
( ) Facilidade de crédito que culminou com intensa onda de falência
( ) Reduzida atividade na Bolsa de Valores.

06) (UNICENTRO) No Brasil do início do século XX, as lutas operárias ganharam as ruas. Naquele período, patrões e governo estadual paulista solicitaram ao governo federal reforços para a repressão ao movimento contestatório. Sobre o tema, assinale a alternativa correta:
a) Os operários paulistas recorreram à luta armada nas ruas por considerar as greves gerais ineficazes para a vitória do movimento.
b) Os trabalhadores lutavam pela jornada de oito horas de trabalho, proteção à mulher, proibição do trabalho infantil e melhores salários.
c) Em São Paulo, as mulheres boicotaram o movimento, denunciando os esconderijos e os líderes anarcossindicalistas à repressão federal.
d) A repressão conseguiu desmobilizar o movimento grevista, que retornou ao trabalho sem qualquer compromisso patronal efetivo de atender às suas reivindicações.
e) As greves na capital paulista foram conduzidas por líderes sindicais “pelegos”, que incentivaram os saques aos armazéns, piquetes e pancadarias, justificando, com isso, a intervenção das tropas federais para reprimir o movimento grevista.

07) A Primeira Guerra pode ser considerada fator de aceleração do processo econômico porque:
a) Dificultou as importações, originando a indústria de substituição.
b) Desenvolveu no Brasil uma indústria bélica para abastecer os aliados.
c) Desenvolveu no Brasil uma indústria de base, com o intuito de fornecer máquinas para os países aliados.
d) Aumentou as relações comerciais com os países do eixo.
e) Provocou o desenvolvimento agropecuário do nordeste para abastecer os aliados.

08) As origens dos movimentos sociais, caracterizados como messiânicos e fanáticos, no nordeste brasileiro, podem ser buscadas, basicamente:
a) Nas condições objetivas em que se desenvolveram as relações sociais no regime de grande propriedade territorial.
b) Na reação ao espírito de religiosidade pregado pelas missões religiosas.
c) Na fixação de pequenos proprietários à terra, ainda que sem condições de cultivá-la.
d) Nas atitudes do clero regular, que pregava a insurreição armada no campo.
e) No fortalecimento da autoridade política dos grandes proprietários de terra, após a abolição da escravatura.

09) A política econômica adotada no governo Campos Sales (1898/1902), apresentou como característica básica a mobilização dos instrumentos clássicos de estabilização. Essa mobilização consistiu em:
a) Corte no gasto público, redução dos impostos, desenvolvimento das obras públicas, desestímulo às indústrias e congelamentos dos salários.
b) Incremento no gasto público, aumento dos impostos, desenvolvimento das obras públicas, estímulo às indústrias e elevação dos salários.
c) Corte no gasto público, aumento dos impostos, abandono das obras públicas, desestímulo às indústrias e congelamento de salários.
d) Incremento nos gastos públicos, redução dos impostos, abandono das obras públicas, estímulo às indústrias e congelamento dos salários.
e) Corte nos gastos públicos, aumento dos impostos, desenvolvimento das obras públicas, desestímulo às indústrias e elevação dos salários.

10) Em 26 e 27 de fevereiro de 1906, reuniram-se em Taubaté os governadores Jorge Tibiriçá, Nilo Peçanha e Francisco Sales, firmando o acordo, conhecido como “Convênio de Taubaté”, que assinalou:
a) A adoção por Campos Sales de uma política de caráter deflacionário.
b) A implantação de medidas favoráveis à imigração devido à abolição.
c) A implantação de uma política protecionista para estimular a indústria.
d) A primeira intervenção estatal na economia brasileira no período republicano.
e) n.d.a

11) Entre o final do século XIX e o início do XX, ocorrem no Brasil duas revoltas sociais que, embora em pontos diferentes do país, eram fruto das mesmas condições e reflexos da situação política da República Velha em relação às massas oprimidas e sem perspectivas de mudanças. Canudos e Contestado tinham em comum:
a) O fato de serem ambas lideradas pela oposição monarquista, interessada em tomar o poder.
b) O abandono destas sociedades rurais arcaicas, aliado ao fanatismo religioso, como forma de fugir à miséria e opressão.
c) O apoio dado pela Igreja a estes movimentos, combatendo as posições do governo.
d) Representavam camadas urbanas não integradas ao processo político.
e) A resistência até o fim, em ambas as revoltas, apesar de todo o esforço do governo em evitar o massacre final.

12) (UECE) A Proclamação da República no Brasil veio colocar em questão as possibilidades de participação política consciente do povo brasileiro. Enfim, estava na ordem do dia a questão da cidadania. Sobre as formas de participação política nas primeiras décadas da República, é correto afirmar:
a) com a possibilidade de interferir no governo através do voto. uma ampla campanha popular fez com que a população pobre participasse efetivamente da política representativa.
b) a participação efetiva dos trabalhadores pobres acontecia muito mais nas revoltas urbanas do que na política representativa.
c) os ex-escravos e os trabalhadores pobres permaneciam à margem do processo político e jamais encontraram uma forma de organização e reivindicação.
d) os primeiros governos republicanos procuravam integrar a população de ex-escravos o processo político, o que gerou grandes revoltas populares.

13) (UFRS) Uma das bases da dominação política das oligarquias regionais durante a República Velha era o coronelismo. Em relação às práticas coronelistas, leia as afirmativas abaixo.
I. O coronel era o chefe político local, utilizava-se de estratégias paternalistas de controle social e era responsável pela manipulação do seu “curral eleitoral”, que deveria ser fiel aos candidatos oficiais nas eleições.
II. Para garantir o seu domínio político, o coronel recorria a mecanismos de consulta popular essencialmente democráticos e participativos, tais como plebiscitos e assembléias.
III. Embora na atualidade o Estado brasileiro não seja formalmente oligárquico, as práticas coronelistas das oligarquias continuam perceptíveis, principalmente nas regiões de menor desenvolvimento econômico do país.
Quais estão corretas?
a) Apenas III.
b) Apenas I e II.
c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.

14) (UFRN) A “Política dos Governadores”, iniciada, na República Velha, por Campos Sales, baseava-se no(a)
a) domínio das elites oligárquicas estaduais sobre as populações rurais, através da repressão violenta às constantes revoltas armadas.
b) controle exercido pelas oligarquias sobre os oficiais da Guarda Nacional, os quais influenciavam fortemente a condução da política nacional.
c) elaboração de uma política de correção dos vícios do sistema eleitoral, advinda de articulações entre as oligarquias e o governo federal.
d) teia de relações políticas ligada ao poder oligárquico, a qual partia do presidente e se estendia até os eleitores nos municípios tutelados pelos coronéis.

15) (Mackenzie-SP) “Os vaqueiros e os peões do interior escutavam-no em silêncio, intrigados, atemorizados, comovidos… Alguma vez, alguém o interrompia para tirar uma dúvida. Terminaria o século? Chegaria o mundo a 1900? Ele respondia (…) Em 1896, mil rebanhos correriam da praia para o sertão e o mar se tornaria sertão e o sertão mar (…).”
(Mario Vargas Llosa)
O carismático Antonio Conselheiro, de que fala o texto acima, liderou a Revolta de Canudos em 1897. Dentre as causas dessa revolta, apontamos:
a) o isolamento do sertanejo, o coronelismo e a luta pela posse da terra.
b) o apoio incondicional do sertanejo à Monarquia.
c) a impossibilidade de adaptação do sertanejo aos valores republicanos.
d) o crescimento e a modernização da economia nordestina.
e) a oposição contra a Igreja Católica, aliada dos monarquistas.

16) (UERJ) Leia o texto sobre o Contestado (1912-1916), conflito ocorrido no sul do país e motivado, entre outros fatores, pela disputa de terras. “A revolta teve sobretudo um caráter social e religioso. O que manteve os caboclos unidos foi a crença em um profeta conhecido como monge José Maria, um guerreiro místico como Antônio Conselheiro. O Contestado foi um movimento milenarista, ou seja, impregnado de temores apocalípticos e esperanças de salvação para os iniciados. Os caboclos acreditavam no fim deste mundo e no surgimento de outro melhor, sem fome nem miséria. Até hoje a população local se refere ao episódio como a guerra dos fanáticos, diz o historiador Paulo Pinheiro Machado, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).” (Adaptado de Superinteressante, maio de 2000.)
A expressão “guerra dos fanáticos” era usada para definir a participação dos revoltosos e foi criada naquela época pelas autoridades políticas e pelos latifundiários. Sob um ponto de vista crítico atual, pode-se dizer que a expressão indica a intenção de:
a) desqualificar os participantes da rebelião.
b) apoiar as idéias monarquistas dos revoltosos.
c) enfatizar o caráter degenerado dos caboclos revoltosos.
d) destacar a indolência de origem psicoclimática dos camponeses.

17) (UECE) “A Coluna evitou entrar em choque com forças militares ponderáveis, deslocando-se rapidamente de um ponto para outro. O apoio da população rural não passou de uma ilusão, e as possibilidades de êxito militar eram praticamente nulas. Entretanto, ela teve um efeito simbólico entre os setores da população insatisfeitos com a elite dirigente. Para esses setores, havia esperanças de mudar os destinos da República, como mostravam aqueles heróis que corriam todos os riscos para salvar a nação.”
FAUSTO, Boris. História do Brasil. 2. ed. São Paulo, Edusp/FDE, 1995. p. 310.
Sobre os “destinos da República” a que se refere o texto, contra os quais se batia a Coluna Prestes, é correto afirmar:
a) percorrendo o País com o objetivo de propagandear os feitos e as virtudes do governo republicano. a Coluna encontrou resistências entre setores pobres do interior.
b) a República instalada no Brasil não correspondia aos anseios dos militares revolucionários, que permaneciam monarquistas, tais como Miguel Costa e Luís Carlos Prestes.
c) a instalação do regime republicano não alterou os vícios da política brasileira – coronelismo, corrupção, “voto de cabresto”, etc.
d) a Coluna Prestes percorria o País pregando uma República socialista, ao modelo soviético, em oposição à República democrática estabelecida em 1889.

18) (UFMG) Revolta da Vacina é o nome pelo qual ficou conhecido o conjunto de manifestações populares ocorridas, no Rio de Janeiro, no início do século XX, em oposição à lei de vacinação obrigatória contra a varíola. Os conflitos, ocorridos a partir de novembro de 1904, tinham como um dos principais pontos de tensão a oposição entre alguns interesses de diferentes setores da população e as políticas públicas que se implementavam no alvorecer da República no Brasil. Considerando-se esse movimento, é CORRETO afirmar que os revoltosos
a) almejavam a restauração da Monarquia, que, embora aristocrática em suas bases, não havia chegado, ao longo do século XIX, a tão exacerbado ato de autoritarismo.
b) lutavam contra o progresso que, segundo o entendimento da época, inevitavelmente acentuaria o processo de exclusão social já vigente na Primeira República.
c) pretendiam a deposição do Presidente da República, membro da oligarquia paulista e autor da medida autoritária que implementou a vacinação obrigatória em todo o País.
d) sustentavam a necessidade de se resguardarem aspectos da vida privada e da moralidade da população, que julgavam ameaçados pela política de Saúde Pública.

19) (Fatec-SP) Sobre os movimentos sociais ocorridos no período da República Velha afirma-se:
I. A Revolta da Vacina foi um movimento iniciado pelas camadas mais pobres da população carioca, que reivindicavam a vacinação em massa da população para combater as epidemias de malária e febre amarela.
II. A greve geral de 1917 teve como principais reivindicações: aumentos salariais, redução da jornada de trabalho, melhores condições de segurança e higiene nos locais de trabalho, liberdade de organização e participação política.
III. A revolta da Chibata teve como líder João Cândido, e suas reivindicações foram: fim dos castigos corporais, redução da jornada de trabalho e aumento salarial.
Dessas afirmacões está(ão) correta(s)

a) apenas II.
b) I e II somente.
c) I e III somente.
d) II e III somente.
e) I, II e III.

20) (PUC – PR) A crise da Bolsa de Nova Iorque, em 1929/1930, refletiu-se nos Estados Unidos e em todo o mundo, com exceção dos países componentes da URSS. No Brasil, a conseqüência política foi o(a): 
a) surgimento do Movimento Tenentista.
b) formação da Política dos Governadores.
c) revolta dos posseiros do Contestado.
d) Revolução de 1930, que derrubou a República Oligárquica.
e) início da política do "Café-com-Leite".

21) (PUC – PR) O governo de Washington Luís, entre várias dificuldades, teve também de enfrentar os efeitos:
a) da campanha contra seu ministro Oswaldo Cruz a respeito da obrigatoriedade da vacina contra a varíola.
b) da inflação provocada pela política do Encilhamento.
c) das restrições às importações provocadas pela 1.a Guerra Mundial.
d) da crise de 1929 com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque.
e) das revoluções em São Paulo e Minas Gerais que reivindicavam melhores salários-mínimos.

GABARITO:

01) B
02) D
03) V - V - V - V
04) F - F - F - F - V
05) V - F - F - V - V - F
06) B
07) A
08) A
09) C
10) D
11) B
12) B
13) C
14) D
15) A
16) A
17) C
18) D
19) D
20) D
21) D